05/10/2021 10:31 | Saúde

Hospital Regional da Mata completa 1 ano de funcionamento com mais de 47 mil atendimentos

Neste 1º ano, unidade hospitalar já realizou 1.249 procedimentos cirúrgicos

Ascom/Sesau


Suely Melo

O Hospital Regional da Mata (HRM), localizado no município de União dos Palmares, comemora, nesta terça-feira (5), um ano de funcionamento com 47.696 atendimentos. Desde sua inauguração, a unidade sempre foi porta aberta para urgência e emergência, com classificação de risco e demanda espontânea.

Neste 1º ano, o HRM – vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) – realizou 1.249 procedimentos cirúrgicos nas áreas de ortopedia, urologia, geral e ginecologia. Também, ao longo do último ano, foram feitos 204.699 exames, sendo 184.602 laboratoriais, 15.771 de raios-X e 4.326 tomografias.

Com o aumento significativo da Covid-19 em Alagoas, em dezembro de 2020, chegou a ser instalada na unidade, uma Enfermaria e uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para prestar assistência aos pacientes acometidos pela doença. Mas, em agosto deste ano, com a queda nos números da ocupação de leitos no Estado, elas foram fechadas.

Conforme balanço divulgado pelo Núcleo de Processamento de Dados da Sesau, o HRM atendeu 2.930 pacientes diagnosticados com a Covid-19. Ao todo, 2.791 tiveram alta médica e voltaram para o aconchego de suas casas.




Estrutura – Além de atendimento na área de urgência e emergência, o HRM disponibiliza uma unidade de internação, centro de diagnóstico, centro cirúrgico e assistência ambulatorial. A unidade oferece também serviço de tomografia computadorizada, raios-x e ultrassonografia. 

Atualmente, 1.025 funcionários atuam no HRM, trabalhando para manter a estrutura funcionando e assegurar assistência ágil, qualificada e humanizada. Os usuários têm acesso ao atendimento especializado em clínica médica, ginecologia, cirurgia geral e vascular.

Em relação às unidades de internação, são 30 leitos clínicos, 27 para cirurgias, 18 para obstetrícia e dez para pediatria. O centro cirúrgico conta com quatro salas e sete leitos de recuperação anestésica.

Cobertura – O HRM assiste mais de 265 mil habitantes que residem na III Região de Saúde. Além da população de União dos Palmares, onde está localizado, são atendidos moradores de Murici, Branquinha, Santana do Mundaú, Ibateguara, Colônia Leopoldina, Novo Lino, Jundiá, Campestre, Joaquim Gomes e São José da Laje.

Para o Secretário de Estado da Saúde, Alexandre Ayres, o HRM representa mais um passo para assegurar que os alagoanos tenham acesso a serviços de saúde na região onde residem. “O HRM é um equipamento de saúde muito importante para todas as pessoas daquela região. Antes, os moradores da Zona a Mata tinham que ir para o HGE [Hospital Geral do Estado], em Maceió, para que pudessem receber um primeiro atendimento. Hoje, essas pessoas tem saúde próximo das suas residências”, explicou o gestor.

Primeira cirurgia de trombólise – Em 23 de setembro deste ano, foi realizado o primeiro procedimento de trombólise no HRM. Um paciente de 61 anos, residente do município de Branquinha, foi operado pelo programa AVC Dá Sinais. Antes do programa, apenas o HGE, em Maceió, recebia pacientes com a doença, conhecida popularmente como derrame.

Cirurgia rara que evitou amputação de paciente – Os profissionais de saúde do HRM evitaram a amputação de uma das pernas de uma paciente de 24 anos, que sofreu um acidente de moto em Maceió. A princípio, a jovem teria parte da perna amputada, mas a equipe médica da unidade hospitalar decidiu tentar uma estratégia inovadora, que durou cerca de cinco horas.

O tratamento utilizado foi o da pseudoartrose da tíbia. Onde foi colocado um aparelho fixador externo, chamado Ilizarov, método russo desenvolvido pelo médico polonês Gavriil Ilizarov na década de 1950, mas, que só chegou ao Ocidente na década de 1980.

Primeira cirurgia de reconstrução mamária – Em janeiro deste ano, o HRM realizou a primeira cirurgia de reconstrução mamária da unidade hospitalar. O procedimento foi assegurado por meio do Programa “Ame-se”, que busca trazer dignidade às mulheres mastectomizadas, possibilitando a reconstrução de seus seios.