15/05/2024 16:56 | Saúde

Alagoas participa da Campanha nacional de conscientização sobre a Alergia Alimentar

Hospital da Criança de Alagoas é referência pediátrica na área e realiza diagnóstico e tratamento de ponta no estado


Paciente Ana Kerolayne e a família relatam as mudanças na vida da adolescente após o diagnóstico correto

Nataly Lopes / Ascom Sesau


Nataly Lopes / Ascom Sesau

A infância é a fase das primeiras descobertas, desde o desenvolvimento das emoções até a criação de hábitos. É nesse momento em que a criança experimenta vários alimentos com diferentes cores, texturas e cheiros. Ter uma alimentação rica em nutrientes é muito importante para o crescimento infantil.


No entanto, cada vez mais, as crianças e adolescentes têm tido uma alimentação reduzida devido a alergias alimentares ou falsos diagnósticos. Pensando nisso, até o próximo domingo (19), está sendo realizada a Semana Nacional de Conscientização sobre a Alergia Alimentar, onde Alagoas participa ativamente. 


O tema deste ano é “A jornada do Paciente”, para mostrar à sociedade a importância do diagnóstico correto e do tratamento que pode mudar a vida de tantas crianças. O Hospital da Criança de Alagoas (HCA), em Maceió, realiza ao longo desta semana diversas ações, por ser referência pediátrica nessa área.


Para se ter ideia, o HCA, desde a criação do serviço voltado ao diagnóstico e tratamento de crianças com alergia alimentar, mais de 50 crianças já foram submetidas a diagnósticos pela alergista e imunologista Flávia Valença. “A prevalência da alergia alimentar está aumentando no mundo inteiro. As manifestações clínicas são cada vez mais graves. Esse período de conscientização é para que todos nós saibamos o que é a alergia alimentar”, salienta a especialista.


SINTOMAS E COMO É O DIAGNÓSTICO

Alguns dos sintomas da alergia alimentar são coceira na boca ou garganta, placas no corpo (urticária), inchaços (angioedema) em boca, olhos ou outras partes do corpo. Podem causar também sintomas digestivos, náuseas e vômitos. Os casos graves podem incluir falta de ar, tosse, fechamento da glote, queda da pressão arterial e até choque, com risco de vida, caracterizando uma anafilaxia.  


Para o diagnóstico, é necessário fazer um Teste de Provocação Oral (TPO) com o alimento suspeito de causar a alergia. Para isso acontecer, é necessário ter a supervisão médica e um atendimento de emergência que são oferecidos pelo Hospital da Criança, porque o paciente corre risco de uma reação grave. 


BENEFICIADA

Uma das pacientes que teve uma melhora expressiva na sua qualidade de vida após o tratamento realizado no HCA, foi Ana Kerolayne Ramires, de 15 anos. A adolescente já havia tentado diversos tratamentos em outras unidades de saúde, mas o diagnóstico correto foi feito no HCA.


“Eu sofria bullying na escola, porque minha pele sempre estava machucada e vermelha. Quando eu tomava banho, a minha pele ardia muito. Antes, eu não podia comer nem leite e nem ovo, hoje, eu posso comer sem medo com a ajuda da médica Flávia e do apoio do Hospital da Criança de Alagoas”, relata a adolescente Kerolayne, emocionada.


Com o tratamento realizado no HCA, a paciente começou a introduzir na sua dieta alimentos como leite, ovos, frutos do mar e algumas frutas. Durante o processo de diagnóstico, ficou constatado, na verdade, que ela é acometida, na verdade, por dermatite atópica. 


AÇÕES DE CONSCIENTIZAÇÃO

Por conta da campanha, o HCA está realizando, ao longo desta semana, algumas ações para conscientizar responsáveis, crianças e adolescentes, além de estudantes e profissionais. 


Na terça-feira (14), a alergista e imunologista Flávia Valença e a gastroenterologista Ilanna Gazzaneo realizaram uma aula para médicos, estudantes de medicina e profissionais da saúde de modo geral sobre “Alergia alimentar na infância: do diagnóstico ao tratamento”.


Já na quinta-feira (16), a médica Flávia Valença vai realizar uma sala de espera sobre o tema para os responsáveis e para as crianças que aguardam serem chamados para a consulta no Ambulatório de Especialidades.